sábado, 18 de novembro de 2017

STOP

Há momentos que gostaríamos que fossem eternos. Aqueles que nos apetece colocar em pause e ficar a saborear cada segundo, cada olhar, cada palavra e até cada silêncio ...
Depois existem os locais. Aqueles que ficam no nosso coração, ancorados no tempo, e que nos permitem voltar lá. Só para recordar e sentir tudo só mais uma vez ...

Do fundo da minha alma ...

... e com toda a certeza que é tão simples assim!

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Começo a acreditar que a vida tem o seu tempo para tudo e que tudo aquilo que nos acontece, tem um sentido. Por muito pouco compreensível que seja ...
Há alturas que achamos que, bem ou mal, já esgotámos as "fichas" todas. Que a vida já nos permitiu ter as possibilidades todas, para aproveitar e aprender. Para aprendermos com os nossos erros. Para viver e aproveitar ao máximo, tudo aquilo que ela nos oferece!
Nem sempre conseguimos!
E quando achamos convictamente que desta foi de vez, a vida surpreende-nos com mais uma prenda.
Talvez porque ache que ainda estamos a tempo. Talvez porque tenha destinado para nós aprendizagens e vivências necessárias. Ou talvez porque ache que há coisas que pelas quais não vale a pena desistir ....
E esta irei aproveitá-la ao máximo.
Por mim, por nós e pela oportunidade que a vida insiste em nunca me tirar!

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Viagem

Nestes últimos tempos tenho tentado traçar um caminho que pretendo percorrer até alcançar o meu destino. Nesse caminho, vou ter muitas subidas, muitos ventos a empurrarem-me para trás, algumas dúvidas no sentido que devo percorrer. Acredito que a seguir às subidas, terei sempre ou quase sempre uma descida que me irá dar fôlego e alento para continuar. Acredito que a seguir aos ventos venha a bonança e que entre tantas dúvidas terei algumas certezas. Sei que vou cair e desejo ter a capacidade e coragem para após cada queda me conseguir erguer e continuar.
Sei o que não quero. Como sei o que quero.
Quero resgatar em mim uma série de carácteristicas que me lembro já ter tido e que algumas pessoas, as minhas pessoas, dizem ver em mim.
De todas as características que me lembro ter, a alegria nos olhos, o riso fácil, a disponibilidade constante em dar, e uma vontade imensurável de ser feliz, são aquelas que preciso urgentemente  resgatar. Normalmente e possivelmente centrava-me nos outros para que estas características vivessem. Mas nunca soube que não era nos outros que eu tinha que as ir buscar. Era na única pessoa em quem eu nunca me centrei, me foquei e acreditei. Eu mesma!
Sou eu que tenho de ser a 1a pessoa a amar-me incondicionalmente. A respeitar-me. A respeitar a minha essência, os meus princípios e as minhas características. As boas e as menos boas. Só assim conseguirei ter a paz que tanto preciso e nunca tive, a calma que nunca soube gerir porque tudo  em mim era turbulento, o silêncio que os meus gritos de procura nunca me deixaram ouvir e sim, finalmente a felicidade que tanto desejei. A minha felicidade!
Acredito que vá ser duro. Sei que muitas vezes vou deixar de acreditar. Mas também sei que as minhas verdadeiras pessoas vão estar em cada subida, em cada desiquilibrio e em cada queda que eu der. E só espero ter a capacidade de acreditar em mim, metade do que sei que elas acreditam. 

domingo, 15 de outubro de 2017

A Princesa Azul e a Felicidade Escondida

Li este livro quase de uma ssentada só. É um livro para crianças mas que é de uma utilidade extrema para os adultos.
Li e integrei que o caminho para a Felicidade passa por váras fases, todas elas integradas umas nas outras e todas elas da mesma importância: Cuidar; Gratidão ( eu desde 15 julho que tenho o meu Diário de Gratidão); Respeito; Perdão; Essência/Essencial e Amor, começando pelo Amor Próprio.

Fiquei com 2 trechos que me tocaram especialmente:
" ....O mais importante na vida é abrirmos as janelas ao que de melhor nós temos. Devemos viver cada dia como se fosse o último e agradecermos sempre por ele. Temos de deixar de ser prisioneiros do nosso passado. Temos de nos tornar os maiores responsáveis pelo nosso futuro."

"Ficas a saber que ser feliz não é ter uma vida perfeita. Não existem vidas perfeitas. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os obstáculos, de todas as dificuldades, frustrações e perdas. É deixarmos de ser vítimas para nos tornarmos autores da nossa própria história."

Que assim seja ❤

Tão verdade.....

O peso das palavras....

"As palavras que nos saem nunca mais voltam atrás. Se imaginássemos o peso que elas têm, pensaríamos várias vezes antes de as verbalizar. A memória que guardamos no coração é maior do que aquela que guardamos na nossa mente.
Trecho do Livro: A Princesa Azul e a Felicidade Escondida

Talvez muitas das tristezas e mágoas que temos, são fruto das palavras amargas e cruéis  que nos foram sendo ditas ao longo da vida. Aquelas que mais nos magoaram e mais dor nos causaram são as memórias que também carregamos connosco.
Se antes de falar pensássemos no impacto que as palavras podem ter na pessoa que vai ouvir, muitas tristezas seriam evitadas.
Aquelas que são ditas com perfeita consciência são apenas  puros atos de maldade ....

domingo, 8 de outubro de 2017

Para este final de Domingo ....

https://youtu.be/NBE-uBgtINg

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Retirar-me em mim ....

A semana que passou foi de uma intensidade emocional extrema. Começou mal, mto mal e terminou com um retiro em Porto Côvo ... retiro tão mas tão intenso que andei estes 3 dias a processar, ou a tentar, processar tanta informação.
O sítio era fantástico. De uma beleza extrema, com um mar que nos enche a alma e o pôr do sol mais bonito que vi até hoje. Foi tão bom olhar e respirar tudo isto ....
A Sofia Castro Fernandes, mentora deste Retiro, é uma inspiração para qualquer pessoa que queira muito ser feliz!
As pessoas, todas elas, com as suas histórias, ensinam-nos e mostram-nos que todos nós temos as nossas pedras, umas maiores que outras, mas que também temos uma vontade desmedida de ser feliz. Cada uma à sua maneira .... mas essencialmente Feliz!
Aprendi coisas, truques, dicas que me vão ensinar a ouvir, ouvir o meu coração, ouvir a minha alma e principalmente ouvir a minha intuição. Aprendi a respirar e a não ter medo de parar. Cada coisa a seu tempo ...
Aprendi também que tenho de perdoar ou resolver,  as mágoas, as mágoas que cresceram comigo e que me toldam os comportamentos, a personalidade e a forma de estar e sentir .... até hoje. Me toldam as escolhas, os medos, os receios e uma incapacidade, talvez injustificada, de ter pouca fé em mim e de não acreditar que também sou merecedora de coisas boas! Apenas porque sim .... porque mereço .... 

O pior não é só o aprender, o tomar consciência .... o pior é verbalizar todas estas emoções. Dizer em voz alta! Não para is outros mas para nós próprios. Quando se verbaliza parece que a ferida abre mais, dói mais .... 

Sei que tenho um longo caminho a percorrer. Talvez duro! É um mudar de chip que não é fácil. É um resgatar da nossa verdadeira essência. Da pessoa menina que deveria ter sido, com a qual deveria ter crescido. É um novo parto de mim mesma! Mas este sou eu que o faço!

No meio disto tudo, tenho uma vontade tremenda de mudar. De crescer. De me ver e sentir diferente. Quero tanto sentir uma paz naquilo que sou. Sem medos do que me pode ou não acontecer! Vontade enorme de me deixar acreditar que é possível termos sonhos e que, mais importante,  é possível fazer os sonhos acontecer!

Sempre que me vergar ou que as forças me faltarem, vou lembrar-me do "nosso farol". Aquele onde meditámos. Aquele onde nos abraçámos e agradecemos ao sol e ao universo por todos os bons momentos que a vida nos proporciona. Aquele farol que nos mostra e nos indica o caminho a seguir. O do nosso coração.

Obrigada Sofia!

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Texto de hoje a pensar no amanhã

É com esta fé que vou amanhã viver e sentir a 1a experiência de um Retiro. Até hoje só tive a experiência de um workshop que me encheu a alma de fé, fe alegria e de uma esperança tremenda. Depois voltou ao vazio ....
Amanhã é outra experiência! Mais duradoura, mais intensa e possivelmente mais mto mais trabalhosa ....
Estou com medo porque não seio o que vou encontrar em mim! Acho que nunca dispendi tempo de qualidade para me ver, para me saber ouvir e para me sentir. Sentir o que sou e sentir o que quero na verdade ser!

Sei que preciso disto como oxigênio. Passei a vida a andar atrás de tanta coisa que achei ser a felicidade. Andei tanto atrás....e ando tanto atrás.....

Quero aprender a acreditar! Quero aprender a confiar! E quero sobretudo ter fé que um dia, um dia, serei a minha principal  cuidadora e que mesmo que a vida dê voltas e voltas o que tiver guardado para mim um dia será ...

"tu mereces*

primeiro acredita, porque é assim que tudo começa. depois descomplica, porque é assim que tudo avança. a seguir confia, porque é assim que respiras fundo. e já na estrada, de mangas arregaçadas e olhar focado no caminho, ajusta a tua bússola. marca o teu ritmo.
pelo caminho, abraça muito. ao longo da viagem, sê mais do que construtora da tua vida: sê também cuidadora. da tua vida, de ti. 
de certo e de garantido saberás, apenas, que o mundo dá voltas todos os dias. que a vida só te vai trazer [e fazer permanecer] o que te pertence. que a fé é a única força segura que te faz mover. que milagres acontecem [quando acreditas com o coração]. e que o amor, o teu e o dos que te querem bem, é a única bagagem que deves carregar para todo o lado. 
não vou jurar que vai ser fácil. mas prometo que vai valer a pena deixar (só) o coração falar."
Às Nove no Meu Blogue


domingo, 24 de setembro de 2017

Há dias ....

... que me sinto assim ....

sábado, 23 de setembro de 2017

E já chegou ....

.... o fim do meu Verão e o início do nosso Outono.
Outono que traz consigo a necessidade quase obrigatória de mudança, sentida em cada folha amarelada que vai caindo. Este cair, este deixar ir, são ciclos que vão terminando, para darem, mais tarde e depois de algumas tormentas, ao nascimento de novas folhas, de novos ciclos, recheados de novas experiências.
É isto que é o outono .... esta fase intermédia, em que o calor e tudo aquilo de bom que o Verão traz ou trouxe se vai esvaindo. Fica apenas aquilo que tem de ficar.
E com isto os dias mais curtos, a luz menos brilhante e o sol menos quente ..... o estado da nossa alma ficará dependente da forma como olhamos e encaramos este outono. Podemos ir esmorecendo à medida que tudo à nossa volta tende a mudar ou vamos aproveitando ao máximo a sensação boa que é o calor do sol a bater-nos na cara e a aquecer a nossa alma.....

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

sábado, 16 de setembro de 2017

Desabafo de um dia .... ou mais

Há dias que nos sentimos mais angustiados por uma série de razões.
Há pessoas que, desde o início, desde o 1°contacto, nos deixam uma sensação estranha e desconfortável na alma. É com este tipo de pessoa que acabamos por ter sempre um pé lá atrás, um olho bem aberto e coragem para conseguirmos não nos deixar intimidar. É preciso ter uma segurança tremenda para conseguir isto. E não é fácil! Eu raramente tenho .... infelizmente!
Basicamente há pessoas com as quais embicamos por alguma razão. Não tenho muitas na minha vida. Tenho algumas. E a maioria delas, o tempo acabou por me dar razão.  Foram mais as certezas que os enganos.
Se tenho uma qualidade é um 6° sentido apurado .... talvez pela necessidade de me proteger, de ter uma natureza desconfiada e por não gostar de ser enganada ou sentir-me ultrajada. Nem por familiares, amigos ou "amantes". Não gosto! Ponto final! 
É difícil lidar com isto. É difícil partilhar estas sensações com quem não nos percebe ou não quer perceber, sem passarmos por "loucas" e desconfiadas de tudo, como se achássemos que o mundo conspira contra nós ..... quando na verdade é tudo tão mais simples e claro que isso!
Normalmente afasto-me. Normalmente vou estando atenta aos sinais que a vida me vai dando para corroborar ou eliminar esta imagem que criei de pessoa A ou B.
O problema é quando a vida nos mostra que temos razão. E aí é que tudo fica mais complicado. É aí que se perde o Norte. Perde-se o Sul, o Este e Oeste .... perdemos as coordenadas e a nossa capacidade de nos orientarmos novamente!

Depois, ou se tem capacidade para passar por cima ou não. Tudo depende da importância que nós damos.  Ou do afastamento que conseguimos ter.

E hoje, no Às Nove no Meu Blog, li este pedaço de texto que me tocou. Não só por ser verdade, por ser a forma mais simples e clara de nos protegermos, mas principalmente porque sinto que sou aquela pessoa que desata a correr à frente do comboio. A linha é longa, quiçá interminável.....e no final apenas  consigo ficar cansada e mais cansada até exausta .... 
Quem sabe um dia, deixo de correr à frente, e fico apenas sentada à espera que o comboio passe .....

" ..em vez de desatar a correr à frente do comboio, é melhor sair da linha e deixá-lo passar. há muitos mais comboios do que imaginamos e, por mais longa que seja a espera, algum há-de chegar para nos levar onde precisamos chegar.»


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Setembro o mês do recomeçar

Gosto do mês de Setembro!
Apesar de ser o mês que me rouba o sol, a sensação de calor na pele, os dias longos e o azul do mar, é um mês que gosto!
Sinto-o sempre como o mês do Recomeço!
Recomeço das aulas dos filhos, das rotinas diárias que nos tiram tão do sério; recomeço para quem volta de férias e de um descanso merecido; recomeço de trabalhos, projetos, ideias .... um colocar em ordem a "casa" que se deixou.
Para mim é um momento de reflexão sobre os 8 meses que passaram e os 4 que ainda aí vêm. É quase como uma preparação para o período do ano que menos gosto e que mais danos me causa - novembro a fevereiro.
É em setembro que me tento reorganizar. Psicologicamente! Emocional e fisicamente! É o ponto de partida para desbravar caminhos secretos e ir atrás de sonhos escondidos! É aquele mês que ainda tem a força e a luz do meu Verão, mas que traz consigo uma lufada grande de esperança num amanhã sempre melhor que o ontem!
Bem vindo meu Setembro ....

domingo, 27 de agosto de 2017

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Promessas desfeitas .... sonhos roubados

Podia ter sido escrito por mim. Hoje!
Mas nem tive capacidade de escrever sobre as rasteiras que a vida nos continua a fazer ....
Promessas desfeitas são, para mim, sonhos roubados. São pancadas que levamos, possivelmente para nos abanar!
Mas doem, magoam e facilmente fazem-nos sentir como pouco dignos da mesma. No fundo são aquelas palavras ou situações que numa altura de entusiasmo são ditas. Mas no final não passam mesmo disso ... palavras ditas em vão! Tão facilmente se promete como se despromete!
Possivelmente a diferença reside na  importância que a promessa ou a pessoa a quem se promete algo tem!
Há sempre algo que aprendemos. 
Nem que seja que as promessas existem para serem quebradas ....

"As promessas não passam de tratados de boas intenções. Alimentam desejos e apaziguam receios. E, mesmo que não se concretizem, quando feitas, transformam a dúvida numa certeza. Nem que seja a certeza de que existem p'ra serem quebradas."

domingo, 20 de agosto de 2017

Para o meu domingo

.... e para o resto da minha vida!

sábado, 19 de agosto de 2017

Para o meu sábado ....

.... vento na cara, pés na areia, cheiro bom de mar.
Isto tudo na companhia de uma pessoa que vai "voar" mas que me vai deixar um vaziosinho na alma ....

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Liberdades roubadas ....

Estamos em pleno século XXI e voltamos a viver quase uma vida de liberdades roubadas.
São inúmeros os ataques terroristas que acabam por roubar, da forma mais insana possível, a vida a centenas de pessoas. Independentemente do sexo, idade, crenças religiosas, opções políticas....whatever ..... continuam a roubar-se vidas. Continuam a roubar aquilo que de mais precioso a sociedade moderna tinha: a liberdade
Podemos até combater tudo isto num misto de revolta e de resiliência. Asseguramos que a vida continua e que nada nem ninguém nos rouba a liberdade.
Eu, pessoalmente, não concordo que assim seja. O facto é que há demasiada gente má, sem qualquer tipo de escrúpulos que apenas existe para roubar a liberdade a quem lhes apetece.
E isso incomoda-me. E isso revolta-me e retira-me aquela liberdade tão boa de viver sem ter que olhar para o lado, sem ter de desconfiar até de pessoas boas, sem ter de perder horas quando viajo de avião e sem ter que me lembrar que até os aviões podem, como já foram, alvo de ataques.
Vivo num país pequeno, provavelmente sem grande impacto internacional se um acto terrorista aqui se desse. Mas não descarto essa possibilidade. Nem aqui nem noutro local.
O que é facto é que esse temor vive connosco diariamente. Umas vezes mais do que outras. Mas está lá! Ora calado ora a ressoar cá dentro! Na rua, no metro, num centro comercial, num concerto, num jogo de futebol .... em todo o lado!
E tudo isto me leva a pensar que a vida é muito mais efémera do que pensamos. Em segundos deixamos apenas de existir. Ou deixam de existir algumas das nossas pessoas! Em segundos ....
Outra ideia que também vou começando a criar dentro de mim é que as pessoas, todas elas têm um lado mau, um lado negro. Mais do que isso, há demasiadas pessoas a utilizar apenas o seu lado negro! Há demasiadas pessoas que são ensinadas e impulsionadas a uriluzar só e apenas o seu lado negro. E cada vez haverá mais! E começamos a ter poucas pessoas boas ....
E isto a mim assusta-me, revolta-me e rouba parte da liberdade que eu e toda a gente merecemos ter!

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

domingo, 6 de agosto de 2017

Diário de Gratidão

Fez ontem precisamente 21 dias que participei num workshop da Sofia, das Nove no Meu Blog, sobre Descomplicar.
Adorei o workshop e, na altura, absorvi cada palavra, cada frase e cada ensinamento que ela, à sua maneira, nos foi passando.
Achei que aquilo tudo tinha ressoado em mim de uma forma tão intensa que achei que a partir daquele dia Eu ia ser diferente. A Sofia alertou-nos que as mudanças levam tempo (21 dias) e ensinou-nos a destinguir o que é uma vontade de uma intençao. basicamente aquela frase de "eu gostava de fazer isto desta maneira" ou " gostava de ter coragem para tomar esta ou aquela decisão". Mas para que isto se concretize eu não posso apenas e só querer, tenho que ter Intenção de o fazer e tenho de planear e tenho de fazer ..... mas esta parte fica para outro dia.
Uma das alterações que comecei a fazer, de início porque era uma trabalho de casa, mas agora porque acho que a mim me faz sentido, é ter uma espécie de Diário de Gratidão! Basicamente consiste em nós, todos os dias, agradecermos por algo que fizemos, que sentimos, que vivenciámos .... e porquê? Porque basicamente queixamo-nos de tudo e esquecemos de agradecer por aquilo que temos.
Não julguem que é fácil! Se há dias em que até era capaz de agradecer por mais do que uma coisa, outros houve que fiquei completamente aos papéis!
O que fiz? Agradeci possivelmente pela coisa mais preciosa que tenho! A vida!
Independentemente de estar feliz ou triste, independentemente de sentir frustração ou sentir-me concretizada, independentemente de me sentir confiante ou insegura, ou mesmo Grande ou "pequena". Mas sempre terei sempŕe que agradecer à Vida! Porque eu estou cá. Porque respiro, porque vejo e posso sentir uma data de sensações infinitas! Porque efetivamente não sei o dia de amanhã. Nem eu nem ninguém! Mas sei que hoje ainda estou por cá, com saúde e com esta dádiva de usufruir de algo que só é possível enquanto a Vida me permitir cá estar!

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Correr Atrás....da Vida!

"Não passar os dias a correr para ter quando sabemos que a felicidade vive numa vida simples, num amor genuíno, num abraço apertado, num silêncio regenerador."
Sofia de Castro

Como bom seria ter esta capacidade intrínseca de não passar a vida, o tempo, o meu tempo, a correr atrás de alguma coisa.
Tenho esta sensação estranha que se não correr atrás, as coisas não acontecem, a sensação de perda e de não conseguir, porque deixei de correr atrás da vida! É um medo muitas vezes sufocante de e se eu deixar de fazer isto ..... e se .....
É preciso ter coragem de deixar as coisas fluir. Ter coragem e a capacidade de confiar na vida, no tempo e quem sabe, na minha própria capacidade de acreditar que a vida também tem lá guardada coisas boas para mim. Sem precisar de correr atrás.
Talvez o facto de ter tido necessidade, toda a minha vida, de ir atrás para conseguir ter o que tenho, me tenha formatado para não ser capaz de dar uma oportunidade à vida, provando que tudo acontece quando e se tiver de acontecer.
É uma questão de confiança. É uma questão de coragem. Mas sobretudo é uma questão de acreditar e aceitar as coisas boas que a vida me pode dar.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Recomeço ....

Bem...nem sei bem por onde começar. Agradeço desde já a esta incapacidade de adormecer obrigando-me a fazer qualquer coisa. Depois a algumas pessoas que me espicaçaram para voltar a escrever! Apenas porque sabem que gosto e principalmente porque sabem o bem que me faz!
Após este tempo todo no silêncio, naturalmente teria e tenho um role de coisas para escrever, partilhar e principalmente exteriorizar!
Mas não vou fazer isso! Pelo menos hoje.
Hoje queria e quero dar o meu pontapé de saída para este recomeço.
Há coisas que mudaram muito. Outras estão tal e qual o que sempre foram.
Hoje estou mais velha, com mais rugas que mostram que ando por cá a viver! São as marcas que a vida me cai deixando. Por fora e principalmente por dentro!
Este é um dos recomeços que quero fazer na minha vida! Talvez seja o mais fácil de todos, porque na verdade, a escrever, tudo sai naturalmente!
Os outros estarão a caminho onde o principal é o meu recomeço como pessoa. E espero que deste recomeço venha tudo ou grande parte do que sempre quis para mim: ser Feliz com o que sou e com o que tenho (e não me refiro a coisas materiais).
Este recomeço desta minha arca de ideias e sentimentos e vivências recomeçou hoje, com a certeza que vai continuar a ser ....
Até já!

domingo, 8 de março de 2015

Dia da Mulher ...

... poderia andar por aqui a escrever sobre o Dia da Mulher. Dia que, para muitas, ainda fará bastante sentido. Porque, para muitas Mulheres, o género ainda é um fator discriminatório. Eu pessoalmente não me sinto discriminada ao ponto de fazer disso uma luta. Já passei por situações que, por ser Mulher, as coisas tomaram um rumo que, para mim, foi pouco justo e até correto. Porém, tentei não ir abaixo e levantei a cabeça e continuei na minha "caminhada".

Mas hoje, sendo o Dia da Mulher, sinto necessidade de escrever sobre a Mulher que me tornei. E, especialmente hoje, sinto-me particularmente triste. Sinto que me tornei numa Mulher longe daquilo que gostaria ou até ambicionava. Lutadora sim, mas aquém do que gostaria de ser. Independente, mas demasiadamente dependente. Pouco forte. Fraca para tomar atitudes que sei, que nua primeira fase me trariam sofrimento, mas que, a médio prazo possivelmente me devolveriam um amor próprio perdido, uma felicidade roubada e uma liberdade escondida. Submissa a palavras que ferem, a palavras pouco justas, cruéis e que nos magoam no mais profundo da nossa alma. E que ficam por ali, a tornar todos os nossos dias um pouco mais amargos.

Hoje tenho pena do que sou. Tenho pena naquilo que me tornei e naquilo que deixei que me fizessem. E sinto que, hoje, não tenho força para combater, para ir à luta e recuperar tudo aquilo que era meu por direito. Aquilo que nasceu comigo e que compõe a minha verdadeira essência. 

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Vazio amargo

... só passaram 3 dias desde aquela 6ª feira que, por um conjunto de mal entendidos, me arrancaste da tua vida, sem dó nem piedade. Apenas saíste, de rompante, sem me dares qualquer hipótese de falar, argumentar, pedir-te, ver-te, sentir-te e sentires-me ... Nem me ver quiseste.

Só passaram 3 dias e a dor que sinto é profunda e, de repente, rouba-me a respiração e sufoca-me. As lágrimas, nesses momentos são a única coisa que conseguem sair do meu corpo. De tão comprimido que anda, todo o meu sofrimento me saí, apenas em lágrimas. Das que são gordas e salgadas ... Nem gritar consigo! E precisava tanto de gritar, para te deitar cá para fora, para longe de mim.

Custa-me muito. Por tudo. Por sentir que lutei tanto, dei tanto de mim, por absolutamente nada ... Tentei conquistar-te aos poucos, tentei que gostasses de fazer parte da minha vida e tentei tanto, mas tanto fazer parte da tua ... 

Dói-me saber que perdi literalmente o amor da minha vida: Tu! Sei que nunca amei assim e que dificilmente me cruzarei com alguém que vá amar tanto, dar tanto e querer tanto.

Não fui a tua escolha. Não fui suficientemente boa, suficientemente capaz ou suficientemente qualquer coisa que te fizesse ficar, por aqui, comigo. Que te impedisse de ir. Que te impedisse de me deixar. Que te tirasse também a respiração por não me teres.Que te fizesse sentir o desespero, a angustia, a dor da falta, da perda ... mas não fui suficientemente ...

E aqui estou. Rezando para que cada dia passe depressa e que com ele me traga um pouco menos de dor, de amargura, de vazio ... 

Mas o vazio que deixaste em mim e por tudo onde passaste será difícil de encher ...

Apenas me resta desejar-te as maiores felicidades do Mundo. Que sejas verdadeiramente Feliz contigo e com a pessoa que escolheste para teres ao teu lado. Ela sim, terá aquela qualquer coisa que foi suficiente para te ter. Foi mais qualquer coisa que eu!

Amar-te-ei para sempre!

Adeus

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Reviravolta grande ...

... é como me sinto atualmente.

A minha vida encontra-se em processo crescente de mudanças, que arrancam literalmente com a minha mudança profissional e que terá como culminar as alterações na minha vida pessoal, onde se inclui a minha pessoa, my self, o meu ego, a mina relação com os outros, a mina relação comigo mesma, a minha relação com a minha filha e a minha relação ou futura relação com uma 3ª pessoa. 

Quanto à minha mudança profissional irei falar mais tarde. Apenas digo que era desejada há muito, que espero que me possibilite um descanso mental tremendo, uma tranquilidade necessária e merecida, um encaixe financeiro melhor (isto de ganhar 700€ não é para todos) e que obviamente me traga mais motivação e mais contentamento a trabalhar. Isto porque, felizmente, gosto muito do que faço. Acho que o faço bem, mesmo desmotivada e, meus amigos, é mesmo isso que gosto de fazer e que quero continuar a fazer, mais e melhor: trabalhar!!!!

Mudanças pessoais são sempre necessárias. Obviamente que a tranquilidade e a motivação irão ter influência na minha postura, na minha auto-confiança e mesmo no meu sossego interior. Mas preciso de mais mudanças. Preciso de saber fazer as minhas escolhas corretas, sem medos. Preciso de me dar ao respeito e me dar valor (na boca de um amigo que pelos vistos agora me considera com pouco respeito próprio, quem diria ...) e de tomar adequadamente as minas decisões.

E o que é que aprendo com este turbilhão em que ando ultimamente? Que sim, ando descompensada, em ponto de rebuçado, é um facto (humana que sou, hem!!!!!) e que muitas vezes me faz disparar para todos os lados, como forma de "despejar" literalmente as minhas angustias e frustrações; que me ajuda a libertar aquilo que para mim se torna cada vez mais difícil e de aceitar;  paralelamente, constituem gritos de ajuda, por um colo, um abraço, qualquer coisa que me acalme os ânimos, me afague a alma e me faça acreditar que, no fim vai tudo correr bem.

E quando olhamos para o lado, há procura desse colo, desse abraço, dessa qualquer coisa, desse afago, ele basicamente não está!!!! E aprendemos que sim, temos que ter coragem para fazer as escolhas corretas, as melhores escolhas para nós, aquelas que nos farão melhores pessoas, mais felizes e sobretudo mais orgulhosas de nós próprias! E que para isso é preciso sim, dar-mo-nos ao respeito, e dar-mo-nos o devido valor!!! Aquela coisa rara ...

E é isso que tenho realmente fazer. E para isso haverá pessoas que ficam e outras que deixarão literalmente de existir. Pelo menos no nosso Universo!


terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Mais um Ano a Terminar ...

... e mais uma vez tenho esta sensação que, finalmente vai acabar.

Foi um ano intenso (mais um), onde o saldo acaba ser sempre positivo porque não posso ousar pensar ou sentir que foi um ano negativo, apesar de todos os "contra's".

Foi um ano com muitos baixos, talvez até mais baixos que altos. Houve poucas coisas que consegui concretizar, dos desejos e vontades que tinha definido um ano atrás. As que consegui encheram-me um pouco a alma, confesso que sim, mas ... ainda ficou tanto para concretizar. Tanta coisa que desejava e que se manteve, tal e qual como estava ... 

Está mais um ano a terminar e desejo, verdadeiramente, que o próximo venha rapidamente. E que venha cheio de força e de energia positiva. E que me encoraje a levar os meus projetos para a frente. Sem medos! E me dê coragem e força para me levantar sempre que cair. E que sobretudo me dê capacidade de avaliar e decidir bem. Preciso que as minhas opções de vida, que os trajetos que irei traçar e percorrer sejam os mais corretos e acertados.

E sobretudo que me mostre que sonhar e ir atrás dos sonhos é o caminho acertado e que no final eu consiga sentir, com toda a certeza, que valeu a pena! Apenas isso!

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

42,195 Km

Ando já há alguns dias para escrever este post. Por cansaço, ainda da corrida e por cansaço de trabalho, ainda não me tinha sido possível fazê-lo. Apesar da alegria e excitex em que ando.

Então foi assim: no domingo passado , dia 02 de Novembro, finalmente fiz a minha 1ª Maratona de Estrada! E adivinhem onde? Cidade do Porto ... engraçado não é?????

Já estava inscrita há algum tempo. Entretanto tinha regredido na minha decisão de fazê-la e mentalmente preparei-me apenas para os 16 Km (corrida que em 2012 já tinha feito e que, caso dos acasos, me tinha corrido muitíssimo bem). Mas entre opiniões, pressões e alguns "picanços" verbais, decidi tentar então os 42,195 Km.

Nervosa que estava, até porque passava-me muita coisa pela cabeça. Primeiro, lido bastante mal com os meus falhanços, quer estes sejam de corrida ou de outras índoles. Não gosto, e vou-me abaixo facilmente. Depois, fico a carpir durante montes de tempo ... Até porque estes falhanços conduzem-me a uma autêntica descredibilidade da minha pessoa, das minhas capacidades e das minhas potencialidades. Por fim, há uma vontade tremenda de sentirmos orgulho por feitos que conseguimos (especialmente sabendo que nem toda a gente os faz) e de fazer com que pessoas especiais e importantes para nós, tenham um enorme orgulho naquilo que atingimos. Preciso que olhem para mim com orgulho pelo que alcanço. Não apenas por aquilo que tento  alcançar. Era muito importante para mim acabar e fazê-la.

O início é sempre difícil. Estava nervosa. Sentia o coração na boca e as pernas tremelicavam tanto que eu achava quase impossível elas conseguirem mexer-se, para correr. E aquela espera, os segundos que antecedem a partida ... meu Deus, dão-me cabo dos nervos!!!!

Depois, veio a partida e lá começámos a correr. Ainda nervosa ... e esta nervoseira cansa-me logo nos primeiros metros. Depois, comecei a rolar e a não me preocupar com muita coisa. Tinha regras que queria cumprir. Queria gerir o meu esforço, para conseguir aguentar, relativamente bem, até aos 30 Km. Quem faz 30 Km tem a Maratona praticamente feita, salvo algumas excepções. e eu não seria uma das excepções!

Os primeiros 10 Km fizeram-se bem, tranquilos, sem me custar quase nada e num tempo muito razoável, para quem ainda tinha 32 Km pela frente. Até aos 20 Km, continuei minimamente confortável, mas a minha cabeça (que de vez em quando atrapalha) começava a temer a barreira dos 20 Km. Fui até aos 25 Km com poucas queixas do corpo, mas ao Km 28 o meu joelho (sim aquele que lesionei a treinar para Madrid) começou a dar o ar de sua graça. Tentei não lhe dar grande importância. Inclusivamente fui falando e gritando com ele, dizendo "tem lá calma, porque vou fazê-la!!!! Ai se vou!!!!"

À medida que os Km passavam, as dores começavam a surgir e a apoderar-se de mim. Começamos a sentir necessidade de ir parando. Alternar entre a corrida e o andar rápido, género marcha. E assim o fiz. Corria até ao limite da dor, depois andava uns metros e retomava a corrida. Era para correr que eu ali estava!

Os Km vão passando devagar, devagarinho ... e o cansaço começa a apoderar-se de nós. Mas a vontade de conseguir ultrapassar a meta, de conseguir este feito de correr uma Maratona é mais forte que tudo o resto. E isto ensina-nos a sermos lutadores, a sermos tolerantes à dor, quer esta seja física e/ou psicológica. 

A metros da meta conseguimos ter uma energia que não sei bem de onde vem. Começamos a ter a certeza que o vamos conseguir. Que superámos muitas coisas para ali chegar e que, apesar de tudo isso, vamos fazê-la! E aí, as emoções, guardadinhas há tanto tempo dentro de mim, começam a soltar-se. Soltam-se de forma descontrolada. Na forma de sorriso e de lágrimas, gordas de emoção,  e de orgulho ouvi as vozes de incentivo dos meus queridos amigos (sempre presentes); retive as mensagens que alguém muito especial me foi enviando ao longo da corrida e que me alimentaram a alma, as pernas e a vontade de prosseguir; lembrei-me da sua voz de incentivo e força. 

E assim terminei. De braços no ar, com lágrimas na cara e um sorriso maior que o Mundo!

E hoje sei que consigo ser mais forte e ir mais longe do que alguma vez pensei. E acredito que basta querer para conseguir. E que, apesar de muitas contrariedades, se sonharmos, se desejarmos muito uma coisa e verdadeiramente acreditarmos, um dia acabamos por conseguir. E esta sensação ninguém nos tira!!!!!